Como um olhar sem rosto (As presidiárias)


Filme





O acervo do MIS está disponível apenas para consulta local gratuita. O usuário é o único e exclusivo responsável pelo respeito aos direitos autorais, personalíssimos e conexos das obras pesquisadas. É vedada a reprodução de obras originais ou cópias, no todo ou em parte, de qualquer forma e para qualquer finalidade, em conformidade com a Lei 9.610 de 19.02.1998


Para reprodução de qualquer obra, original ou cópia, em quaisquer meios e mídias e para quaisquer fins, e para solicitação de empréstimos, o interessado deverá seguir os procedimentos estabelecidos pela Política de Acervo do Museu. Para informações sobre empréstimo, reprodução e demais usos, entre em contato com a equipe do CEMIS através do Fale Conosco.




Título:
Como um olhar sem rosto (As presidiárias)
Número de Item: Número de Registro:
00138PRE00395FC FM00061-16A(1)
Uso e acesso:
Consulta local com agendamento
Coleção:
00138PRE - Prêmio Estímulo
Outros Títulos:
As presidiárias
Companhia Produtora:
Tapiri Cinematográfica; Secretaria da Cultura Ciência e Tecnologia. Departamento de Artes e Ciências Humanas
Autoridades: Classificação:
Billy MenziProdução
Beth GanymedesProdução
Renato TapajósProdução executiva
Maria Inês VillaresDireção
Olga T. FutemmaAssistência de direção
Maria Inês VillaresRoteiro
Olga T. FutemmaRoteiro
Zetas MalzoniDireção de fotografia
Roberto Santos FilhoAssistência de câmera
Olga T. FutemmaMontagem
Beth GanymedesMontagem
Francisco CoccaSom direto
Roberto Santos FilhoFotografia Still
Líder Cine LaboratóriosLaboratório
Local de Produção:
São Paulo - São Paulo - Brasil
Data de Produção: Data de Lançamento:
1983 -
Bitola: Cromia:
16 mm Cor
Produção:
Nacional
Idioma: Classificação:
PortuguêsOriginal
Metragem total - Tipo: Duração:
Curta-Metragem 0h 31min 0s

Sinopse/Descrição:

"Presídio Feminino do Carandiru. Uma oportunidade de se falar sobre a liberdade, a solidão e a esperança de mulheres que, embora encarceradas, mantêm vivos os sonhos."


Adotando o regime semi-aberto de prisão, uma penitenciária de São Paulo permite que as presidiárias trabalhem fora. Segundo as psicólogas do estabelecimento - que durante o filme falam do nível científico e dos resultados práticos do seu traballho -, esse sistema é encarado e desenvolvido como uma conquista justa das detentas e não como um privilégio, assegurando gradualmente a sua reintegração social. Em seus depoimentos, as presidiárias expõem os problemas que enfrentam lá fora diante de uma sociedade que as marginaliza, mesmo após o cumprimento integral da pena.


Prêmio Estímulo da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, 1982.


Gênero:
Documentário
Descritores:
penitenciária; feminino; cotidiano
Descritores Geográficos:
São Paulo - São Paulo - Brasil