Filme





O acervo do MIS está disponível apenas para consulta local gratuita. O usuário é o único e exclusivo responsável pelo respeito aos direitos autorais, personalíssimos e conexos das obras pesquisadas. É vedada a reprodução de obras originais ou cópias, no todo ou em parte, de qualquer forma e para qualquer finalidade, em conformidade com a Lei 9.610 de 19.02.1998


Para reprodução de qualquer obra, original ou cópia, em quaisquer meios e mídias e para quaisquer fins, e para solicitação de empréstimos, o interessado deverá seguir os procedimentos estabelecidos pela Política de Acervo do Museu. Para informações sobre empréstimo, reprodução e demais usos, entre em contato com a equipe do CEMIS através do Fale Conosco.



Quantidade de registros: 928

"Durante um almoço em um restaurante com mesas na calçada, cinco amigos são testemunhas do tumulto que se estabelece por causa de uma vaga de estacionamento, envolvendo uma BMW e um caminhão de obra." (FGR/24) "Cinco amigos se encontram para almoçar. Nada poderia ser mais corriqueiro. Mas por ...
Para alguns a vida é como um carrossel, previsível e enfadonha. Para outros assemelha-se a uma montanha russa com seus aclives e declives. Para Nádia e Antonio, a vida é uma interminável queda, um infinito cair no abismo sem fim. E as palavras que foram ditas neste momento perderam-se para semp...
O dia a dia de um homem solitário.
Um olhar sobre a vida e a obra de Roberto Santos, cineasta fundamental, autor de filmes antológicos como O Grande Momento e a Hora e a Vez de Augusto Matraga, cuja trajetória de realizador mistura-se e confunde-se com a própria história do moderno cinema paulista.
"Rodolfo, noivo de uma jovem de boa família, Clotilde, vê sua paixão transformar-se em perversão. Ele alfineteia a alva pele da moça para sugar-lhe o sangue." (FGR/24) "Anos 20. Noivo de uma jovem tem uma estranha perversão: alfinetar a pele da amada e sugar-lhe o sangue." (FICMSP/7)
"Um catador de sucata faz do interior de um viaduto seu habitat. No delírio da solidão, cria uma realidade paralela". (MinC/CMB)
Personagem de faroeste amazônico no ano 2000, índio enfrenta a chegada na selva de serrarias, missionários e dinheiro.
Otto, de aproximadamente 33 anos, vive em um centro urbano. Passou sua infância numa fazenda onde desenvolveu uma espécie de segunda personalidade. Otto escreve uma carta para si mesmo convidando-se para uma jornada de encontro às suas referências pessoais.
Este filme é uma livre-perversão da letra de "Coração Materno", canção de Vicente Celestino (1937), onde o filho possuído pelo diabo, mata a mãe por causa de uma mulher. "Em uma aldeia de pescadores, acontecimentos macabros se desenrolam numa noite de violência, morte, satanismo e oraç...
Documentário com depoimentos de pessoas que trabalham cuidando de cadáveres: funcionários de cemitérios, de crematórios, funerárias, médicos. "A partir do imaginário popular em relação à morte, trabalhadores que no seu cotidiano manuseiam cadáveres especulam sobre a vida e a morte." (CI...