[Notas Contemporâneas: Eduardo Araújo - Auditório] at.





O acervo do MIS está disponível apenas para consulta local gratuita. O usuário é o único e exclusivo responsável pelo respeito aos direitos autorais, personalíssimos e conexos das obras pesquisadas. É vedada a reprodução de obras originais ou cópias, no todo ou em parte, de qualquer forma e para qualquer finalidade, em conformidade com a Lei 9.610 de 19.02.1998


Para reprodução de qualquer obra, original ou cópia, em quaisquer meios e mídias e para quaisquer fins, e para solicitação de empréstimos, o interessado deverá seguir os procedimentos estabelecidos pela Política de Acervo do Museu. Para informações sobre empréstimo, reprodução e demais usos, entre em contato com a equipe do CEMIS através do Fale Conosco.



--Título:
[Notas Contemporâneas: Eduardo Araújo - Auditório] at.
Número do Item: Número de Registro:
00821NTP00357VD -
Uso e acesso:
Consulta local com agendamento; Divulgação virtual
Coleção:
00821NTP - Notas Contemporâneas
Companhia Produtora:
Museu da Imagem e do Som de São Paulo
Autoridades: Classificação:
Eduardo AraújoEntrevistado(a)
Cleber PapaEntrevistador(a)
Yan MontenegroArranjo
Yan MontenegroMulti-instrumentista
Sarah do AmaralVocalista
Léo PinheiroVocalista
Cleber PapaDireção
Cleber PapaCuradoria
Vânia AlmeidaProdução
Renan DanielProdução
Letícia GodoyCinegrafista
André PacanoCinegrafista
João RabelloCinegrafista
Bruno Café SforcimEquipe técnica
Lucas MelloEquipe técnica
Romilton RibeiroIluminação
Mauro MatsushitaIluminação
Local de Produção:
São Paulo - São Paulo - Brasil
Data de Produção: Data de Lançamento:
10/10/2018 17/01/2019
Suporte/Formato:
Blu-Ray
Sistema: Cromia:
NTSC (National Television Standards Committee) Cor
Áudio: Produção:
Estéreo Nacional
Idioma: Classificação:
PortuguêsOriginal
Duração
0h 121min 36s

Sinopse/Descrição:

Cleber Papa apresenta o Programa.

Cleber destaca a atuação do músico em diversos gêneros; o músico nasceu em Joaíma, MG, em 23/07/1972; comenta sobre as lembranças afetivas do local; fala sobre o alto-falante na fazenda de seus pais que tocava a Rádio Nacional; fala sobre o contato que teve com Renato Teixeira, e a relação entre Luiz Gonzaga e Pedro Raimundo.

Fala sobre a aproximação com a música; conta sobre os anos escolares iniciais, na escola da fazenda e depois no colégio interno, até os 16 anos; diz que começou a estudar música no Colégio Batista, em Belo Horizonte; destaca que o acordeon era o instrumento mais popular; comenta sobre a sanfona e a gaita; fala sobre a formação de sua banda com teclado, bateria e contrabaixo; fala sobre a banda Playboys, que fez a pedido de Elvécio Guimarães.

Fala como começou a estudar guitarra; diz que seu interesse surgiu ao assistir um documentário sobre as primeiras bandas americanas.

Diz que sempre sonhou em cantar; a abertura do público para o rock e o surgimento da jovem guarda; conta sobre a transição para o Rio de Janeiro; comenta sobre o curso técnico de veterinária; fala sobre a participação no programa de Aldair Pinto, em Belo Horizonte, onde era considerado o rei do rock mineiro; conta sobre a participação no programa "Hoje é dia de rock" de Jair Taumaturgo, que abriu-lhe portas.

Cleber Papa comenta sobre a rádio na formação musical de sua geração; o músico fala sobre a gravação “O garoto do rock”, seu primeiro compacto, em 1961; conta que se decidiu pela Philips por conta do perfil de cantores mais jovens; fala sobre o contato com Carlos Imperial, desde Minas Gerais, até chegar no Rio de Janeiro, com o Clube do Rock; conta sobre a formação da banda no Rio.


Banda MIS interpreta “Vem quente que eu estou fervendo”.


Elogia a interpretação; conta que batizou a banda Renato e seus Bluecaps; Cleber comenta sobre trabalhos realizados em 1967 na TV Excelsior e gravações; fala sobre a inspiração para essa composição e parceria com Carlos Imperial; conta sobre um episódio onde sofreu um processo judicial e perseguição na ditadura militar; destaca que ficou impossibilitado de tocar no Rio de Janeiro e que por isso a Jovem Guarda estourou em São Paulo; comenta sobre interrogatórios pelos quais passou em 1965; diz que chegou a atingir Erasmo e Roberto Carlos.

Fala sobre a vinda para São Paulo; destaca que o programa da Jovem Guarda durou menos de 3 anos, de 1965 até 1968; conta que a TV Excelsior foi procurá-lo para fazer o Programa “O Bom", com Silvinha; diz que lançou a banda de Pepeu Gomes; casa com Silvinha em 1969; Cleber destaca que o inicio do soul, em parceria com Tim Maia, no álbum “A onda é boogaloo”; o músico comenta problemas pessoais de Tim Maia; os problemas para retomar a carreira artística e o apoio que deu a ele.

Cleber destaca três vertentes da Jovem Guarda; o músico fala sobre o trabalho de Sérgio Reis com Tony Campello.


Banda MIS interpreta “Coisa linda”.


Cleber destaca o programa na TV Record; fala sobre o rock progressivo; diz que foi estudar percussão em Salvador e conheceu Chocolate da Bahia; fala sobre a sonoridade dos terreiros; destaca o trabalho do Olodum, a capoeira; Tropicália; Cleber destaca o potencial criativo dessa pesquisa; fala sobre a gravação de “Construção” de Chico Buarque; comenta sobre a saída da RCA e a pausa na carreira; fala sobre a compra da Odeon; conta sobre participação no Fantástico; comenta sobre uma rixa de Chico Buarque com a Globo; fala sobre a formação do jabá no Brasil.


Banda MIS interpreta “Menino da gaita”.


Comenta sobre o momento quando se afastou da música; fala sobre o contato com Renato Teixeira na produção de um country brasileiro; fala sobre contato com Tião Carreiro e Pardinho; fala sobre seu programa Brasil Rural; conta sobre a gravação com Doctor Sin e Edgard Winter.


Banda MIS interpreta “O bom”.


Cleber fala sobre a criação da gravadora que o artista montou “Number 1”; diz que as mídias digitais vieram colaborar para a divulgação do trabalho; destaca que bateu o recorde de 1 milhão de cópias com o “Ave Maria no morro”; Cleber cita um trecho do livro de memórias, que o músico diz ser a biografia do rock; destaca alguns casos de Tim Maia que considera que não terem sido bem contados.


Banda MIS interpreta “Moreninha linda”, e a entrevista se encerra.


Gênero:
Entrevista; Apresentação Musical
Descritores:
jovem guarda; soul; rock and roll; baião (música); rádio; emissora de rádio; programa de televisão; música caipira; moda de viola; gravadora; acordeão; hardcore (gênero musical); gaita; sanfona; terreiro; capoeira; tropicalismo
Descritores Geograficos:
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil; Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil; Estados Unidos da América; Nova Jersey - Estados Unidos da América
Descritores Onomásticos:
Sérgio Reis; Luiz Gonzaga; Pedro Raimundo; Lô Borges; Milton Nascimento; Bill Haley; Elvis Presley; Little Richard; Jerry Lee Lewis; Jair de Taumaturgo; RCA Victor; Ramalho Neto; Philips - AV/Estúdios; João Araújo; Carlos Imperial; Wilson Simonal; Renato e Seus Blue Caps; Erasmo Carlos; Roberto Carlos; Chacrinha; Tim Maia; Pepeu Gomes; Jorge Ben Jor; Tony Campello; Chocolate da Bahia; Chico Buarque; Tião Carreiro e Pardinho; Paulo Rocco; Almir Sater; John Lennon; Gene Vincent and the Blue Caps; Sylvinha Araujo; Simon & Garfunkel; Dr. Sin ; Edgard Winter