[Entrevista de Cacá Diegues parte 2/2] at.


Vídeo





O acervo do MIS está disponível apenas para consulta local gratuita. O usuário é o único e exclusivo responsável pelo respeito aos direitos autorais, personalíssimos e conexos das obras pesquisadas. É vedada a reprodução de obras originais ou cópias, no todo ou em parte, de qualquer forma e para qualquer finalidade, em conformidade com a Lei 9.610 de 19.02.1998


Para reprodução de qualquer obra, original ou cópia, em quaisquer meios e mídias e para quaisquer fins, e para solicitação de empréstimos, o interessado deverá seguir os procedimentos estabelecidos pela Política de Acervo do Museu. Para informações sobre empréstimo, reprodução e demais usos, entre em contato com a equipe do CEMIS através do Fale Conosco.



--Título:
[Entrevista de Cacá Diegues parte 2/2] at.
Número do Item: Número de Registro:
00428MEC00013VD 259
Uso e acesso:
Consulta local sem agendamento
Coleção:
00428MEC - Memória do Cinema
Autoridades: Classificação:
Produção MISProdução
Cacá DieguesEntrevistado(a)
Carlos Augusto Machado CalilEntrevistador(a)
Roberto GervitzEntrevistador(a)
Agostinho dos SantosTécnico de som
Teco FrancoCâmera
Sônia Maria de FreitasPesquisa
Data de Produção: Data de Lançamento:
29/05/1990 -
Suporte/Formato:
DVD Cópia
Sistema: Cromia:
- Cor
Áudio: Produção:
- Nacional
Idioma: Classificação:
PortuguêsOriginal
Duração
0h 62min 6s

Sinopse/Descrição:

A infância em Alagoas e a mudança para o Rio; vivência no bairro de Botafogo até os 14 anos; os cinemas; o futebol; o campo do Botafogo. Formação jesuíta do colégio, a universidade. Relação com a literatura brasileira. Participação no Movimento Cine Clube do Colégio Santo Inácio. Processo da independência e o trabalho como jornalista; primeiro contato com o grupo cinemanovista na universidade. Importância do jornal "Metropolitano" como espaço de debate e reflexão sobre o cinema. Formação do grupo cinemanovista e dissidência em relação ao CPC. Projeto e o clima de solidariedade que agregava o grupo. Exílio político. Sensibilidade política de Glauber. Formação da Embrafilme. Volta ao Brasil e realização de "A GRANDE CIDADE". Processo criativo e envolvimento visceral com o cinema. Função social do cinema. Reflexão sobre seus filmes mais autobiográficos. Balanço sobre o cinema nos anos 80 e sua abstinência em relação às transformações oCorridas na sociedade brasileira. Patrulhas ideológicas e seu processo de individualização. Devoção pela questão negra. Permanência das utopias e o papel do artista. Cineasta.


Gênero:
Entrevista
Descritores:
depoimento; cinema; cineclubismo; jornalismo; cinema novo; exílio; cineasta; artista; direção cinematográfica