Entrevista de Ricardo Ohtake


Vídeo





O acervo do MIS está disponível apenas para consulta local gratuita. O usuário é o único e exclusivo responsável pelo respeito aos direitos autorais, personalíssimos e conexos das obras pesquisadas. É vedada a reprodução de obras originais ou cópias, no todo ou em parte, de qualquer forma e para qualquer finalidade, em conformidade com a Lei 9.610 de 19.02.1998


Para reprodução de qualquer obra, original ou cópia, em quaisquer meios e mídias e para quaisquer fins, e para solicitação de empréstimos, o interessado deverá seguir os procedimentos estabelecidos pela Política de Acervo do Museu. Para informações sobre empréstimo, reprodução e demais usos, entre em contato com a equipe do CEMIS através do Fale Conosco.



--Título:
Entrevista de Ricardo Ohtake
Número do Item: Número de Registro:
00109MIS00024VD -
Uso e acesso:
Consulta local sem agendamento
Coleção:
00109MIS - Museu da Imagem e do Som
Autoridades: Classificação:
Ricardo OhtakeEntrevistado(a)
Eduardo CastanhoPesquisa
Ana Maria GuarigliaPesquisa
Daisy PerelmutterPesquisa
Agostinho dos SantosTécnico de som
Renato GalonCinegrafista
Teco FrancoCinegrafista
Eduardo CastanhoFotografia
Local de Produção:
São Paulo - São Paulo - Brasil
Data de Produção: Data de Lançamento:
12/08/1993 12/08/1993
Suporte/Formato:
DVD Cópia
Sistema: Cromia:
- Cor
Áudio: Produção:
Estéreo Nacional
Idioma: Classificação:
PortuguêsOriginal
Duração
1h 58min 29s

Sinopse/Descrição:

(0:01:36) – Entrevistadora inicia citando data, projeto e pessoas envolvidas na entrevista.


(0:02:14) – Entrevistadora pede que entrevistado fizesse uma autobiografia, da sua vida antes dele entrar no MIS. Comenta que nasceu em São Paulo, 24 de outubro de 1942, comenta sua vida acadêmica até ingressar na FAU, estudado entre 1964 e 1968. Abriu escritório de comunicação visual e artes gráficas em 1967, trabalhou em projetos de artes gráficas em todo período da década de 1970. Em 1980 foi chamado pelo, então secretário municipal da Cultura, Mario Chamie para trabalhar no IDART, Departamento e Informação e Documentação Artística da Prefeitura da Cidade de São Paulo, trabalhando como pesquisador em artes gráficas, comenta sobre breve história do IDART e seu trabalho na instituição entre 1980 e 1982. Descreve sua ligação com o Centro Cultural São Paulo no início dos anos de 1980. Comenta trabalho posterior a saída do Centro Cultural, quando trabalhou com edição de livros, fala sobre o convite feito por Fernando Moraes em 1989, então Secretário da Cultura, para dirigir o MIS.


(0:18:03) – Entrevistadora questiona se o entrevistado teve algum vínculo com o MIS antes de assumir a direção do museu, o entrevistado comenta sobre exposições que fez, comenta sobre amizade com Rudá de Andrade e assessores deste, amizade com Boris Kossoy.


(0:19:25) – Entrevistadora cita fala do entrevistado sobre instituição ser um balcão e pergunta se o MIS era um balcão, o que o entrevistado confirma e comenta sobre era feitas as exposições do museu, e faz critica. Entrevistadora questiona qual era a perspectiva da secretaria da cultura frente ao MIS sobre esse assunto, comenta sobre gestão do secretário de cultura Fernando Moraes e a perspectiva desse, comenta sobre público.


(0:23:25) – Entrevistadora questiona diferenças entre gestões anteriores e a gestão dele no MIS e de Fernando Moraes na secretaria, referente a questões culturais, entrevistado comenta sobre a sua gestão e do secretário citado. Entrevistadora questiona sobre itens da carta de princípios, qual dos itens seria um ponto principal da sua gestão, entrevistado comenta que nunca leu a carta de princípios, comenta sobre sua gestão e de ser mais prático e comenta sobre os princípios da carta e sua visão de museu e do MIS.


(0:38:21) – Entrevistador fala sobre novas tecnologias de captação e preservação de informação digital, questiona ao entrevistado sobre qual seria um novo “voo” para o MIS, entrevistado comenta sobre novas tecnologias aliadas a visão dele sobre museus. Entrevistado e entrevistador comentam sobre questões de museu atuais e tecnologia digitais. Aos 0:41:59, a imagem e o som do vídeo ficam com interferência até 0:42:19. Fim da interferência, continua comentário entre entrevistador e entrevistado, tendo retornado ao ponto antes da interferência, continuando o comentário sem problemas.


(0:45:35) – Entrevistadora pede para entrevistado comentar como estruturou as atividades do museu, cita “projeto permanente para formação de acervo” e revisão de eventos, entrevistado comenta sobre sua gestão, a formação de equipe com funcionários de conhecimento em áreas especificas. Cita e comenta projetos “Musico brasileiro”, “Compositor erudito brasileiro”, “Foto de autor”, “Cinema de curta metragem”, “Vídeo de autor” e “Gráficos brasileiros”. Comenta sobre plano de análise desse acervo criado. Comenta sobre s eventos especiais fazendo critica a sua própria gestão.


(1:09:07) – Entrevistadora questiona sobre a programação, qual ele acredita foi mais significativo em questão de receptividade do público e questão de concepção, entrevistado comenta que não poderia dizer porque teve “muita coisa”, comenta sobre suas características para montar projetos.


(1:11:04) – Entrevistadora questiona sobre novas contratações no início da direção do entrevistado no MIS, se isso foi imposta pelo secretário de cultura, o entrevistado comenta que não acha que o secretario pedido para contratar ninguém. Comenta sobre funcionários, como eles chegaram no museu, as necessidades do museu. Entrevistadora comenta sobre entrevista de Rudá e questão de contrato de pessoas de fora da Secretaria justamente por necessidade de especialização, entrevistado não entende bem o que a entrevistadora quis dizer, após ela explicar duas vezes o entrevistado comenta sobre trabalho e especializações.


(1:20:13) – Entrevistadora questiona qual foi a relação do MIS com a Secretaria de Cultura, o entrevistador comenta sobre a secretaria, o secretario Fernando de Moraes e ingerências. Entrevistadora questiona relações com outras instituições ligadas a Secretaria da Cultura, se havia algum problema pela relevância que o MIS ganhava, o entrevistador comenta que não havia problemas na época que ele foi diretor, comenta sobre instituições e a gerencia do Fernando Moraes e Mário Chamie.


(1:24:41) – Entrevistador pergunta como era feito o trabalho de divulgação do museu, entrevistado comenta sobre dificuldades para fazer a divulgação, as estratégias que usava, a divulgação nos jornais, sobre divulgação de “boca em boca”.


(1:29:42) – Entrevistada questiona sobre o trabalho de monitoria e educativo foi desenvolvido na gestão do entrevistado, o que ele responde “nunca”. Comenta sobre projeto que gostaria de ter feito durante sua gestão, comenta sobre funcionários do museu em relação ao público que visita o MIS, comenta sobre seu ponto de vista sobre o público em relação as exposições.


(1:43:15) – Entrevistadora questiona sobre o conselho de orientação, se ele funcionou durante a gestão do entrevistado, o que responde “não”, comenta sobre alguns detalhes da sua gerencia e alguns posicionamentos sobre o conselho.


(1:44:48) – Entrevistadora questiona sobre problemas burocráticos e financeiros durante a gestão do entrevistado, comenta primeiro sobre a falta de recursos, depois comenta sobre burocracia e facilidade pela informalidade que envolve funcionários do museu.


(1:47:15) – Entrevistadora comenta sobre período de gestão do MIS pelo entrevistado e sobre a identidade que ele deu ao museu, entrevistado comenta que gostaria de ter dado uma identidade mais forte, comenta sobre perfil do museu, comenta sobre o diretor do MIS na época, Amir Labaki.


(1:55:51) – Entrevistadora pede para entrevistado comentar a passagem no MIS, tanto em questões pessoais e profissionais, entrevistado comenta sobre o profissional, mesmo admitindo que não conseguiu fazer tudo. Na parte pessoal o entrevistado comenta sobre ganho e características.


(1:58:01) – Entrevistador questiona se entrevistado tem mais algo que queira acrescentar, ele diz que não, entrevistador agradece o entrevistado e a equipe;


Gênero:
Entrevista
Descritores:
museu; arquitetura; artes gráficas; pesquisa; restauração; exposição; cultura; produção cultural; conhecimento; difusão cultural; livro; história do Brasil; depoimento; cinema; acervo; fotografia; tecnologia digital; cinema brasileiro; curta metragem; Racionalismo; acervo; trabalho
Descritores Geograficos:
São Paulo - São Paulo - Brasil; Solar da Marquesa de Santos - São Paulo - São Paulo - Brasil; Casa das Retortas - São Paulo - São Paulo - Brasil; Parque D. Pedro II - São Paulo - São Paulo - Brasil; Centro Cultural São Paulo - São Paulo - São Paulo - Brasil; América Latina; Brasil - América do Sul; Colômbia; Caribe; América Central; Cordilheira dos Andes; Mar do Caribe; Antilhas - América Central; Oceano Atlântico; Oceano Pacífico; Hemisfério norte; Hemisfério sul
Descritores Onomásticos:
Museu da Imagem e do Som de São Paulo; Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU-USP); Mário Chamie; IDART-Departamento de Informação e documentação Artísticas; Companhia de gás de São Paulo - Comgás; Eurico Prado Lopes; Centre Georges Pompidou; Secretaria da Cultura; Fernando Moraes; Rudá de Andrade; Plácido de Campos Júnior; Guilherme Lisboa; Boris Kossoy; Arquivo Público do Estado de São Paulo; Olga Benário; Assis Chateaubriand; Jornal Última Hora; Samuel Wainer; Miécio Caffé; Eduardo Castanho; Zita Carvalhosa; Vitória Arruda; Marcelo Machado; Camargo Guarnieri; Guerra-Peixe; Ronaldo Miranda; Cláudio Santoro; Gilberto Mendes; Aloisio Magalhães; Rubens Augusto Martins; Celso Curi; Teco Franco; Daisy Perelmutter; Folha de S.Paulo; Jornal O Estado de São Paulo; Dema; Carlos Perrone; Museum of Modern Art - MOMA; Amir Labaki