Entrevista de Ivan Isola


Vídeo





O acervo do MIS está disponível apenas para consulta local gratuita. O usuário é o único e exclusivo responsável pelo respeito aos direitos autorais, personalíssimos e conexos das obras pesquisadas. É vedada a reprodução de obras originais ou cópias, no todo ou em parte, de qualquer forma e para qualquer finalidade, em conformidade com a Lei 9.610 de 19.02.1998


Para reprodução de qualquer obra, original ou cópia, em quaisquer meios e mídias e para quaisquer fins, e para solicitação de empréstimos, o interessado deverá seguir os procedimentos estabelecidos pela Política de Acervo do Museu. Para informações sobre empréstimo, reprodução e demais usos, entre em contato com a equipe do CEMIS através do Fale Conosco.



--Título:
Entrevista de Ivan Isola
Número do Item: Número de Registro:
00109MIS00012VD -
Uso e acesso:
Consulta local sem agendamento
Coleção:
00109MIS - Museu da Imagem e do Som
Autoridades: Classificação:
Ivan Negro IsolaEntrevistado(a)
Daisy PerelmutterPesquisa
Ana Maria GuarigliaPesquisa
Daisy PerelmutterEntrevistador(a)
Ana Maria GuarigliaEntrevistador(a)
Agostinho dos SantosTécnico de som
Teco FrancoCinegrafista
Renato GalonCinegrafista
Tuca VieiraFotografia
Local de Produção:
São Paulo - São Paulo - Brasil
Data de Produção: Data de Lançamento:
13/07/1993 13/07/1993
Suporte/Formato:
DVD Cópia
Sistema: Cromia:
- Cor
Áudio: Produção:
Estéreo Nacional
Idioma: Classificação:
PortuguêsOriginal
Duração
0h 97min 7s

Sinopse/Descrição:

(0:00:13) – Entrevistadora inicia relatando data, nome do projeto e nome das pessoas envolvidas na entrevista. Entrevistadora solicita que entrevistado conte sua formação e trajetória antes de entrar no MIS, o entrevistado comenta seu início de carreira ligado ao teatro, a formação em Roma e sua experiência no exterior, experiências com holografia, volta para o Brasil na década de 1980, a recessão do período do governo Figueiredo, sendo convidado para assumir o MIS, entrevistado ainda cita que depois de sair do museu assumiu a direção da Embrafilme, e na época da entrevista possuía empresa que agia na área cultural e pretensões na área de cinema.


(0:05:38) – entrevistadora questiona qual a relação que o entrevistado possuía com o MIS antes de assumir o cargo de diretor, comenta que quando retornou ao Brasil teve reunião com Rudá de Andrade e outros conselheiros no museu, naquela mesma sala que era feita a entrevista, sobre exposição de holografias que acabou ocorrendo no prédio da Bienal, ainda cita contato com Rudá de Andrade e visita ao museu em 1977.


(0:06:57) – Entrevistadora questiona se, durante a direção do entrevistado, alguma das três propostas na carta de princípios teve prevalência nas atividades do museu, o entrevistado cita que seria melhor começar no início e comenta sobre problemas em instituições culturais no Brasil, cita problema na criação ligada a presença do MIS, do Paço da arte e do Museu do Esporte no mesmo prédio, depois cita problema de dispersão do acervo, cita problemas de precariedade do local, comenta sobre característica de outros diretores antes da sua direção, faz um balanço da sua direção, principalmente atualizações do museu. Cita eventos feitos visando aumentar o acervo do museu, cita o Festival Video Brasil; projeto Odisseia do som; projeto Memoria do piano; projeto Luz, Sombra e Movimento, comenta sobre esses eventos e seus ganhos para o museu. Entrevistado comenta sobre sua direção.


(0:18:33) – Entrevistadora questiona se esses projetos faziam parte de algum projeto maior do governo Montoro, entrevistado comenta sobre a política cultural do governo estadual quando era diretor do MIS. Comenta sobre conselho na época de sua direção e sua nomeação.


(0:22:45) – Entrevistadora questiona qual a ligação que o museu tinha com a Secretaria da Cultura na época da direção do entrevistado, o mesmo comenta sobre problemas de gestão, comenta sobre o DEMA, Departamento de Museus e Arquivos.


(0:26:32) – Entrevistadora questiona sobre o projeto de reforma do auditório, o entrevistado comenta sobre como foi feito a reforma, o que foi alterado e problemas para manutenção do ar condicionado. Entrevistadora questiona sobre estúdio de som e sala de vídeo, o entrevistado comenta sobre a reforma nesses dois estúdios. Entrevistado comenta sobre funcionamento do museu durante reforma, volta a comentar sobre o fechamento do auditório com mais detalhes.


(0:31:53) – Entrevistadora questiona como era o trabalho do Conselho de orientação, o entrevistado comenta sobre dificuldade de reunião do conselho e o que exigia do Conselho, faz críticas ao trabalho do conselho.


(0:34:08) – Entrevistadora questiona se recebia alguma ajuda fora do conselho, como de alguma acessória ou coordenação, o entrevistado cita problemas com contratação de funcionários, principalmente de profissionais. Comenta sua visão para contratação de funcionários, comenta sobre funcionários da época em que era diretores que ajudaram na acessória do museu.


(0:40:51) – Entrevistadora questiona se apesar de problemas com estruturação de setores dentro do MIS se houve projetos que envolveram todo o museu, entrevistado comenta a natureza do MIS como museu, suas expetativas e dificuldades para uma digitalização do acervo e um trabalho integrado de uma forma moderna. Cita a exposição Odisseia da música que chegou a ser um paradigma de trabalho, cita sobre problemas em exposições posteriores. Entrevistadora comenta sobre Odisseia da música e entrevistado comenta mais sobre o projeto. Entrevistado comenta sobre projetos que começaram no MIS e continuaram fora do museu.


(0:47:32) – Entrevistadora comenta sobre o grande incentivo na área de vídeo durante a direção do entrevistado no MIS e pede que ele comente, o entrevistado comenta sobre a importância do vídeo na época, entrevistado comenta sobre a falta de equipe para mídia.


(0:50:42) – Entrevistadora comenta que a realização de cursos durante o período de direção do entrevistado e pede que ele comente também, o entrevistado comenta sobre a demanda de maior conhecimento por parte do público e a relação com o museu, cita sobre cursos no museu, sua importância e dificuldades.


(0:55:31) – Entrevistada comenta sobre a Associação dos Amigos do Museu e questiona se o entrevistado chegou a fazer um projeto, o entrevistado comenta sobre os problemas para fazer esse tipo de projeto, comenta sobre espaços sobre a necessidade da Associação. Comenta que não chegou a ser constituída, apesar do entrevistado ter feito o estatuto e esse ser utilizado por outras instituições como a Pinacoteca, comenta sobre associação na época.


(0:59:43) - Entrevistadora questiona sobre o MUBE o que o entrevistado critica o museu. Comenta sobre problemas museológicos sobre o MUBE, comenta a história de formação do mesmo. Comenta que quando assumiu o MIS o mesmo estava “loteado” com várias associações e entidades, comenta que retirou essas entidades, comenta sobre o Paço das Artes e sua estadia no mesmo prédio do MIS.


(1:02:23) – Entrevistadora questiona, sobre divulgação do museu, qual a importância que o entrevistado deu a publicações como catálogos e exposições itinerantes, o entrevistados comenta os problemas e ter de começar as atividades fazendo marketing do museu, a situação da época e como gerou a necessidade de produção, comenta como teve de agir e suas críticas a isso para gerar reconhecimento do museu. Comenta sobre adquirir a coleção da Vera Cruz. Comenta sobre a natureza do Museu e críticas à visão de museu voltado a eventos, o que chama de efêmero, ao invés de pesquisas e produção permanente.


(1:06:56) – Entrevistadora questiona como foi a cobertura do MIS dada pela Imprensa, o entrevistado comenta que sempre foi positiva, comenta sobre questões relacionadas ao Festival Video Brasil. Comenta sobre o MIS teria se tornado moda e fala sobre a cobertura da Imprensa e como foi decisiva para divulgar as atividades do museu. Entrevistadora questiona se havia algum funcionário responsável por essa divulgação, o entrevistado cita que ele criou uma função justamente para divulgação do museu e comenta sobre funcionárias que trabalharam com ele.


(1:11:42) – Entrevistadora questiona se ocorreu serviço educativo e trabalhos de monitoria, entrevistado comenta que ocorreu, comenta sobre o papel educativo do museu, comenta projetos educativos com o MIS durante sua gestão.


(1:13:53) – Entrevistadora questiona como foi a relação com as Universidades, o entrevistado cita que foram muito intensas, comenta sobre relação entre universidade e o museu referente a pesquisa. Comenta sobre o pesquisador voluntario e cita alguns exemplos.


(1:17: 14) - Entrevistadora aproveita a citação sobre projetos e questiona sobre projeto de história oral, se foi feito apenas com pesquisadores de fora do museu, o entrevistado confirma e comenta sobre esses projetos. Comenta sobre problemas de essa ampla diversidade de assuntos e comenta sobre caminho para pesquisa. Entrevistado comenta sobre público dessa produção de história oral.


(1:20:38) – Entrevistadora questiona se houve alguma censura por parte do governo, entrevistado comenta que nunca, comenta relação da sua gestão com governo.


(1:23:33) – Entrevistadora questiona como foi a passagem do entrevistado no museu em termos pessoais, o entrevistado brinca sobre duas úlceras que ele possui, comenta sobre o carinho que tem pela instituição.


(1:25:35) – Entrevistadora questiona se mesmo com o passar de vários anos após a saída do entrevistado do MIS, se o museu conseguiu manter uma identidade, o entrevistado comenta sobre opinião pública referente ao museu, comenta sobre sua visão sobre o museu, sua alta viabilidade, comenta sobre reforma administrativa e Associação de Amigos do Museu,


(1:29:07) -Entrevistadora questiona como qual a aquisição de acervo mais importante da sua gestão, entrevistado comenta sobre desejos sobre acervo e aquisições, cita dificuldade financeira. Comenta o acervo da Vera Cruz, cita o começo de gerar produção em vídeo, cita alguns filmes. Comenta novamente sobre o acervo da Vera Cruz e sua importância.


(1:32:16) – Entrevistadora questiona a razão da saída do entrevistado do MIS, o mesmo relata que recebeu proposta do ministro Celso Furtado para assumir a Embrafilme, comenta suas expectativas, comenta sobre problemas na Embrafilme. Comenta sobre importância na rotatividade da administração das instituições, comenta problemas em cargos políticos.


Descritores:
museu; teatro; rádio; televisão; cinema; fotografia; holografia; museologia; evento; vídeo; festival de vídeo; curso; educação; universidade; pesquisa; história oral; política pública; acervo museológico
Descritores Geograficos:
Roma - Itália - Europa; Itália - Europa; Brasil - América do Sul; Fundação Bienal de São Paulo - São Paulo - São Paulo - Brasil; Teatro Sérgio Cardoso - São Paulo - São Paulo - Brasil
Descritores Onomásticos:
Museu da Imagem e do Som; Antonio Fagundes; TUSP-Teatro da USP; Flávio Império; João Baptista Figueiredo; Franco Montoro; Embrafilme; Rudá de Andrade; Francisco Luiz de Almeida Salles; Paço das Artes; Goulart de Andrade; Bill Viola; Dick Farney; Antonio Henrique da Cunha Bueno; Arquivo Público do Estado de São Paulo; Pinacoteca do Estado de São Paulo; Walter George Durst; João Batista de Andrade; Henrique de Macedo Neto; João Sócrates; José Sebastião Witter; Júlio Medaglia; Hernani Heffner; Departamento de Museus e Arquivos; Zélio Alves Pinto; Marlene Yurgel; Paolo Taviani; Vittorio Taviani; Luchino Visconti; Maria Lúcia Messa; Ricardo Ohtake; Museu Lasar Segall; Mube - Museu Brasileiro da Escultura; Jânio Quadros; Casa das Rosas; Companhia Cinematográfica Vera Cruz; Folha de S.Paulo; Museu de Arte Sacra de São Paulo; Museu de arte de São Paulo " Assis Chateaubriand"(MASP); Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-; TV Cultura; Eletropaulo; Renato Consorte; Unicamp; Teotônio Pavão; Albert Pavão; Severo Fagundes Gomes; José Sebastião Witter; Ulpiano Bezerra de Menezes; Celso Furtado; Videobrasil