Entrevista de José Sebastião Witter


Vídeo





O acervo do MIS está disponível apenas para consulta local gratuita. O usuário é o único e exclusivo responsável pelo respeito aos direitos autorais, personalíssimos e conexos das obras pesquisadas. É vedada a reprodução de obras originais ou cópias, no todo ou em parte, de qualquer forma e para qualquer finalidade, em conformidade com a Lei 9.610 de 19.02.1998


Para reprodução de qualquer obra, original ou cópia, em quaisquer meios e mídias e para quaisquer fins, e para solicitação de empréstimos, o interessado deverá seguir os procedimentos estabelecidos pela Política de Acervo do Museu. Para informações sobre empréstimo, reprodução e demais usos, entre em contato com a equipe do CEMIS através do Fale Conosco.



--Título:
Entrevista de José Sebastião Witter
Número do Item: Número de Registro:
00109MIS00027VD -
Uso e acesso:
Consulta local sem agendamento
Coleção:
00109MIS - Museu da Imagem e do Som
Autoridades: Classificação:
José Sebastião WitterEntrevistado(a)
Ana Maria GuarigliaEntrevistador(a)
Ana Luisa Amêndola PinheiroEntrevistador(a)
Agostinho dos SantosTécnico de som
Teco FrancoCinegrafista
Tuca VieiraFotografia
Local de Produção:
São Paulo - São Paulo - Brasil
Data de Produção: Data de Lançamento:
19/08/1993 19/08/1993
Suporte/Formato:
DVD Cópia
Sistema: Cromia:
- Cor
Áudio: Produção:
Estéreo Nacional
Idioma: Classificação:
PortuguêsOriginal
Duração
0h 106min 20s

Sinopse/Descrição:

(0:00:57) - Inicia com entrevistado comentando sobre seu trabalho no Arquivo do Estado, aparentemente há uma parte anterior do entrevistado comentando sobre sua vida. Entrevistadora questiona ao que ele atribui o êxito no trabalho no Arquivo do Estado, cita o auxílio do secretário Max Feffer e funcionários próximos, mudança para governo Maluf com secretario Cunha Bueno, parceria com a Imprensa Oficial, cita livro “São Paulo onde está sua história” e exposição no MASP.


(0:13:45) – Entrevistadora questiona se na época que ele trabalhava no Arquivo o mesmo tinha alguma ligação com o MIS, cita que estavam ligados a mesma Secretaria, cita que essa era a época do Rudá de Andrade como diretor, cita contato com Rudá antes da criação do MIS, expectativas dos dois.


(0:15:16) - Entrevistador volta a contar as publicações do convenio do Arquivo para terminar sobre seu trabalho no Arquivo, comenta o fim do governo Maluf, a mudança para o governo do Franco Montoro.


(0:24:23) – Entrevistadora questiona sobre cervo do MIS, se o entrevistado acompanhou a criação desse acervo, o entrevistado pede licença para terminar de contar sobre a sua carreira, comenta sobre o final dela, sobre tese em livre docência.


(0:26:25) – Entrevistadora questiona sobre o período que o entrevistado se torna conselheiro no MIS, o entrevistado comenta que começa a participar do museu em 1981, proposição de exposição sobre a história do futebol. Cita contato com Rudá de Andrade e com Boris Kossoy, virando conselheiro durante direção do Ivan Negro Isola. Entrevistadora questiona como ele foi escolhido para ser conselheiro, o entrevistado responde que não sabe, cita o secretário da época, Jorge da Cunha Lima, e algumas pessoas escolhidas que consegue lembrar e o que o secretário.


(0:32:34) – Entrevistadora questiona se um conselho multidisciplinar funcionava, entrevistado relata que sim, comenta sobre a direção do Ricardo Ohtake. Relata o papel do conselho, a questão de doação de acervo para o museu, reuniões do conselho e cita doação de acervo da Vera Cruz.


(0:35:37) – Entrevistadora questiona como acabou o conselho, entrevistado comenta que o conselho “terminou por inercia”, comenta sobre como deveria ter acabado o conselho e como realmente ocorreu no seu final. Entrevistadora cita decreto de criação do MIS e questiona se o fim do Conselho também não precisava ter algum decreto, o entrevistado comenta que acredita que o conselho só precisa ser refeito porque ele não foi extinto, precisaria do decreto. Comenta sobre o fim do conselho e as mudanças na secretaria.


(0:38:11) – Entrevistadora questiona se o entrevistado acha importante a existência do Conselho, o que ele responde que acha fundamental, comenta sobre papel do conselho em qualquer instituição.


(0:39:23) – Entrevistadora questiona se cada Diretor desenvolveu uma relação diferente com o conselho, comenta sobre os diretores do MIS no período em que ele foi conselheiro.


(0:41:19) – Entrevistadora questiona se entrevistado acha ruim a inercia do diretor seguinte, Newton Mesquita, de não ter continuado com o conselho, o mesmo comenta. Entrevistadora comenta que alguém citou o conselho como arcaico, o entrevistado comenta sobre sua opinião da função do conselho, a dispensa dele da Secretaria da Cultura, mas ficando no MIS até 1990. Comenta sobre as reuniões do Conselho.


(0:48:17) – Entrevistadora questiona se o diretor do MIS nunca foi escolhido pelo conselho, o que o entrevistado responde que não, comenta sobre a escolha feio pelo Secretário de Cultura. Entrevistador lê sobre decreto relacionado a nomeação de diretores, entrevistado comenta que acredita ter ocorrido assim na primeira fase do museu, o que é confirmada por outra entrevistadora citando o diretor Boris Kossoy. Entrevistado comenta rapidamente sua opinião sore a nomeação do Boris e do Rudá.


(0:49:16) – Entrevistadora questiona a opinião do entrevistado sobre a rotatividade de diretores do museu, entrevistado comenta sobre como vê a mudança e a forma de mandato.


(0:50:58) – Entrevistadora questiona a relação do MIS com a Universidade de São Paulo, entrevistado responde que não tem “a intensidade que deveria ter”, e comenta sua posição e projetos que lembra.


(0:57:46) – Entrevistadora questiona se conselho ajudaria a conseguir verba, o entrevistado reponde que não é função do conselho, comenta sobre essa questão. Entrevistadora comenta sobre a tentativa de criação da Sociedade Amigos do MIS e como não conseguiu ser formada, entrevistado comenta que está relacionado dessa forma com vários museus, comenta que não sabe se é um fator positivo ou não, comenta sobre questões envolvidas.


(1:02:25) – Entrevistadora questiona qual camada da população mais frequentou o museu, entrevistado comenta sobre popularidade do museu.


(1:06:26) – Entrevistadora questiona se havia alguma atividade educativa no período em que o entrevistado estava ligado ao museu, o entrevistado tenta recordar convívio entre o MIS e escolas.


(1:07:50) – Entrevistadora questiona qual projeto o entrevistado que chamou a atenção dele, que achou mais importante, o entrevistado cita “História do Futebol Brasileiro”, comenta sobre o futebol, a ligação com a cultura e impressões deles. Entrevistada comenta sobre pouco gosto de futebol pelas mulheres, o que é negado pelo entrevistador, o mesmo comenta sobre futebol feminino, comenta sobre violência nos estádios. Comenta sobre ideias para projeto envolvendo e cita o jogador Feitiço. Brinca sobre terem convidado ele para entrevista por sua idade. Comenta sobre projeto “Cultura brasileira”. Cita projeto envolvendo música popular, teatro de São Paulo


(1:20:25) – Entrevistadora questiona se o entrevistado acredita que o MIS tem cumprido seu papel de preservar da memória da cultura brasileira, o entrevistado diz que não, cita que o museu tem virado lugar de eventos e comenta sobre sua visão.


(1:23:43) – Entrevistadora questiona como o entrevistado avalia sua experiencia no museu, o entrevistado relata que foi gratificante, comenta as experiencias com Rudá e comenta sobre mais convivências. Cita que vê o MIS na época da entrevista desgastado, entrevistadora questiona como o entrevistado vê a situação da preservação da memória no Brasil, o entrevistado diz que não saberia dizer, comenta sobre a área cultural.


(1:31:28) – Entrevistado pede por uma pausa onde seria trocado fita.


(1:32:43) – Entrevistado retorna a falar sobre a cultura brasileira e problemas sobre preservação.


(1:36:38) – Entrevistadora questiona se entrevistado tem mais algo a acrescentar antes de finalizar a entrevista, o entrevistado comenta seu entendimento sobre o MIS, sua importância e comenta junto com entrevistadoras sobre projetos que poderia ser retomado. Entrevistadora questiona se nunca houve uma exposição permanente no MIS, o que o entrevistado diz que não, comenta sobre exposições e volta a falar sobre sua visão do MIS. Entrevistadora agradece o comparecimento e entrevistado agradece a oportunidade.


Gênero:
Entrevista
Descritores:
museu; arquivo (documentação); política; arquivologia; exposição; futebol; instituição; universidade; estudante; cultura brasileira; mulher; música; memória; computação; capitanias hereditárias; fotografia
Descritores Geograficos:
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil; São Paulo - São Paulo - Brasil; Paraná - Brasil; Rio Grande do Norte - Brasil; Museu da Casa Brasileira - São Paulo - São Paulo - Brasil; Avenida Europa - São Paulo - São Paulo - Brasil; Igreja de Nossa Senhora da Consolação - São Paulo - São Paulo - Sp; Bixiga - São Paulo - São Paulo - Brasil; Vale do Paraíba - São Paulo - Brasil; Natal - Rio Grande do Norte - Brasil; João Pessoa - Paraíba - Brasil; Bahia - Brasil; Santa Catarina - Brasil; Museu do Ipiranga - São Paulo - São Paulo - Brasil
Descritores Onomásticos:
Museu da Imagem e do Som de São Paulo; Arquivo Público do Estado de São Paulo; Max Feffer; Departamento de Artes e Ciências Humanas - DACH; Universidade de São Paulo; Escola de Comunicação e Artes ECA/USP; Instituto de Pesquisas Tecnológicas; Paulo Egydio Martins; Paulo Maluf; Cunha Bueno, Deputado; Imprensa Oficial do Estado; Caio Plínio Aguiar Alves de Lima; Museu de arte de São Paulo " Assis Chateaubriand"(MASP); Arquivo Histórico Municipal - AHM; Rudá de Andrade; Eurípedes Simões de Paula; Raul do Rego Lima; Celina Vargas do Amaral Peixoto; Arquivo Nacional; Paulo Evaristo Arns, Dom; Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP; Ruy Carlos de Camargo Vieira; Franco Montoro; Paulo Sérgio Pinheiro; Juca Kfouri; Raul de Andrade e Silva; Boris Kossoy; Ivan Negro Isola; Jorge da Cunha Lima; Walter George Durst; João Batista de Andrade; Júlio Medaglia; Henrique de Macedo Neto; João Sócrates; Ricardo Ohtake; Companhia Cinematográfica Vera Cruz; IEB - Instituto de Estudos Brasileiros; Guilherme Lisboa; André Boccato; Orestes Quércia; Mário de Andrade; Rivellino; Museu de Arte Sacra de São Paulo; Pinacoteca do Estado de São Paulo; José Carlos Sebe Bom Meihy; Instituto de Estudos Brasileiros (IEB-USP); Ricardo Teixeira; Zetti; Nílton Santos; Luís Pereira; Sócrates (Futebolista); Telê Santana; Feitiço (futebolista); Mario Prata; Telê Ancona Lopes; Maria Odila Leite da Silva Dias; Carlos Guilherme Mota; Aziz Nacib Ab´ Saber ; Jacob Gorender; Sergio Buarque de Holanda; Antônio Cândido de Mello e Souza; Florestan Fernandes; Fernando A. Novais; Altamiro Carrilho; Arrelia; Décio de Almeida Prado; Francisco Iglésias; Lima Duarte; Raul Cortez; Paulo Goulart; Nicette Bruno; Mauricio Segall; Beatriz Segall; Fernanda Montenegro; Cinemateca Brasileira; Newton Navarro; Museu de Arte Contemporânea - MAC; Museu Paulista da Universidade de São Paulo; Prêmio Estímulo de Fotografia; Hans Günter Flieg; Diana Dorothèa Danon ; Antonio Fagundes; Nelson Werneck Sodré