Notas Contemporâneas: Edino Krieger- Auditório 1ª Parte


Vídeo





O acervo do MIS está disponível apenas para consulta local gratuita. O usuário é o único e exclusivo responsável pelo respeito aos direitos autorais, personalíssimos e conexos das obras pesquisadas. É vedada a reprodução de obras originais ou cópias, no todo ou em parte, de qualquer forma e para qualquer finalidade, em conformidade com a Lei 9.610 de 19.02.1998


Para reprodução de qualquer obra, original ou cópia, em quaisquer meios e mídias e para quaisquer fins, e para solicitação de empréstimos, o interessado deverá seguir os procedimentos estabelecidos pela Política de Acervo do Museu. Para informações sobre empréstimo, reprodução e demais usos, entre em contato com a equipe do CEMIS através do Fale Conosco.



--Título:
Notas Contemporâneas: Edino Krieger- Auditório 1ª Parte
Número do Item: Número de Registro:
00821NTP00228VD -
Uso e acesso:
Consulta local sem agendamento; Divulgação virtual
Coleção:
00821NTP - Notas Contemporâneas
Autoridades: Classificação:
Edino KriegerEntrevistado(a)
Rosana CaramaschiPesquisa
Cleber PapaDireção
Diego ValverdeCinegrafista
Bruno Café SforcimCinegrafista
Cadão VolpatoEntrevistador(a)
Vânia AlmeidaProdução
Mônica Ferreira CamargoFlautista
Edelton GloedenViolonista
Maria Constança Audi de Almeida Prado MorenoViolinista
Marcos AragoniPianista
Denise FerrariVioloncelista
Local de Produção:
Museu da Imagem e do Som - São Paulo - São Paulo - Brasil
Data de Produção: Data de Lançamento:
21/11/2012 -
Suporte/Formato:
DVD
Sistema: Cromia:
NTSC (National Television Standards Committee) Cor
Áudio: Produção:
Estéreo Nacional
Idioma: Classificação:
PortuguêsOriginal
Duração
0h 60min 44s

Sinopse/Descrição:

Celebrando a memória de Almeida Prado, Edino Krieger nasceu na cidade de Brusque Santa Catarina em 1928; intensa participação como compositor, músico, regente, gestor cultural, gestor público, crítico e professor; começa seu interesse pela música com sete anos aprendendo a tocar violino com o pai, Aldo Krieger, e aos quatorze anos começou a se apresentar na sua cidade e nas cidades vizinhas; o pai o incentivava o levando a concertos e exigindo que Edino estudasse violino em tempo integral.


Conta que seu pai fazia música popular, era o mais velho dos irmãos e autodidata, seu primeiro instrumento foi o bandoneón; tocava no cinema mudo e formou a primeira Jazz Band de Santa Catarina em 1929 para tocar no carnaval da cidade, tinha o sonho de Edino ser um grande maestro e deu o violino que considerava um instrumento sério.


Edino apresenta a música composta em um momento de renovação técnica de composição, chamado dodecafonismo.


"Miniaturas para flauta e piano" Mônica Camargo na flauta, Marcos Aragoni no piano.


Depois da sua participação no grupo Música Viva, viajou para os Estados Unidos e estudou principalmente orquestração; conhece o compositor Peter Pan que seguia um pensamento mais neoclássico; volta ao Brasil e em 1949 participa do Primeiro Curso Internacional de Férias de Teresópolis organizado por Koellreutter; conta que depois do Curso foi trabalhar na Discoteca da Rádio Ministério e Comunicação; a convite de Francisco Mignone começa a trabalhar no jornal Tribuna da Imprensa como crítico de música, e logo em seguida se torna programador, onde fica por trinta e cinco anos; por conta de uma carta aberta de Guarnieri contra o dodecafonismo começa uma discussão sobre a música serial e a música brasileira, exemplifica com a composição “Seresta Brasileira”.


"Seresta Brasileira", Denise Piotto Violoncello e Marcos Argoni, piano.


Edino comenta a produção cultural, a falta de uma política de estado que dê apoio a produção cultural, exemplifica como a música brasileira de concerto não tem presença e participação nos grandes festivais internacionais, e se quando há alguma presença é por mérito próprio; relata que a música brasileira não possui uma editora de partituras para divulgação, dentro ou fora do país; conta que começou a fazer as edições na FUNARTE com o projeto Memória Musical Brasileira que não teve continuidade após sua saída; muda a conversa comentando sua composição de começo carreira “Improvisação para Flauta Solo”.


"Improvisação para Flauta Solo" Mônica Ferreira Camargo na flauta.


Edino conta sobre sua estadia na Inglaterra, acredita ser um período de experiência e conhecimento de novos compositores, relata que o fato mais marcante foi seu encontro com a Rainha Elizabeth, acredita que não teve influência da cultura inglesa em suas composições, apesar de admirá-la, mas cita o compositor inglês Benjamin Britten como uma possível influência; fala da sua composição "Sonatina para Piano", composta na Inglaterra.


"Sonatina para Piano", Marcos Aragoni piano.


Gênero:
Entrevista.
Descritores:
entrevista; compositor (música); música; música brasileira; música clássica; biografia