Notas Contemporâneas: Osvaldinho da Cuíca - Estúdio - 1ª Parte


Vídeo





O acervo do MIS está disponível apenas para consulta local gratuita. O usuário é o único e exclusivo responsável pelo respeito aos direitos autorais, personalíssimos e conexos das obras pesquisadas. É vedada a reprodução de obras originais ou cópias, no todo ou em parte, de qualquer forma e para qualquer finalidade, em conformidade com a Lei 9.610 de 19.02.1998


Para reprodução de qualquer obra, original ou cópia, em quaisquer meios e mídias e para quaisquer fins, e para solicitação de empréstimos, o interessado deverá seguir os procedimentos estabelecidos pela Política de Acervo do Museu. Para informações sobre empréstimo, reprodução e demais usos, entre em contato com a equipe do CEMIS através do Fale Conosco.



--Título:
Notas Contemporâneas: Osvaldinho da Cuíca - Estúdio - 1ª Parte
Número do Item: Número de Registro:
00821NTP00249VD -
Uso e acesso:
Consulta local sem agendamento; Divulgação virtual
Coleção:
00821NTP - Notas Contemporâneas
Companhia Produtora:
Museu da Imagem e do Som de São Paulo
Autoridades: Classificação:
Osvaldinho da CuícaEntrevistado(a)
Cleber PapaDireção
Cleber PapaCuradoria
Rosana CaramaschiEntrevistador(a)
Eric Jeferson Oliveira CamposEquipe técnica
Local de Produção:
São Paulo - São Paulo - Brasil
Data de Produção: Data de Lançamento:
21/08/2013 18/01/2017
Suporte/Formato:
DVD
Sistema: Cromia:
NTSC (National Television Standards Committee) Cor
Áudio: Produção:
Estéreo Nacional
Idioma: Classificação:
PortuguêsOriginal
Duração
0h 55min 40s

Sinopse/Descrição:

Osvaldo Barro, conhecido como Osvaldinho da Cuíca, cantor, compositor, produtor e pesquisador musical, nascido em São Paulo em 12 de fevereiro de 1940, inicia sua entrevista contando sobre seu nascimento no bairro do Bom Retiro, e diz que sua primeira lembrança musical vem da zona rural, quando se mudou para Mogi das Cruzes com a mãe, onde ouvia sua avó cantar, conta também que nessa época aos finais de semana ia à cidade e ouvia rádio pelo serviço de auto-falante da praça e relembra que durante o carnaval os negros se vestiam de indígenas e iam pelas praças tocando instrumentos, afirma que esses foram seus primeiros contatos com a música; ao ser questionado sobre sua iniciação musical, conta que ao final dos anos 1940 retornou a São Paulo para morar com uma tia, quando se tornou engraxate e fez amizades com integrantes dos cordões e das gafieiras locais e começou a batucar na caixa de engraxate, entrando posteriormente no cordão Garotos do Tucuruvi e compondo seu primeiro samba em 1958; fala sobre a maneira que os cordões saiam às ruas, sem organização mas com a necessidade de autorização policial, relata as diferenças entre os grandes cordões como Vai-Vai e Camisa Verde e Branco e os cordões menores; é questionado sobre a atmosfera musical da cidade de São Paulo nos anos 1950 e responde que havia um pouco mais de responsabilidade social das emissoras de rádio, com a presença majoritária de música brasileira, diz que a musicalidade era contaminante e inspiradora e que despertava a brasilidade, afirma que a cidade era muito mais musical que hoje em dia; fala que já nasceu com o "vírus" da batucada da música brasileira, e que ouvia Herivelto Martins, Monsueto Menezes e Ataulfo Alves tocando nos filmes, quando ia ao cinema, e que eles o inspiraram a começar a tocar; conta sobre as primeiras participações em gravações, aos dezoito anos de idade; conta sobre a relação que estabeleceu com a cuíca ao ser inspirado pelos cuiqueiros Boca de Ouro e Zé da Rita; relembra seu ingresso no grupo de teatro de Solano Trindade, onde ganhou o apelido de Osvaldinho da Cuíca; fala sobre as suas primeiras apresentações em boates e casas de shows de São Paulo e sobre os programas que participou na Rádio Record; fala sobre a inauguração da Rádio Gazeta e de suas apresentações com diversas orquestras; conta sobre a transformação sofrida pelo samba paulista sob a influência do samba carioca, que era tocado nas rádios, e da perda de identidade do samba paulista; ao ser perguntado sobre as particularidades do samba rural, responde que ele é tocado no Brasil todo, mas que em São Paulo se transformou em samba caipira, que possui influência da música sertaneja de raiz, da umbanda, das folias, das festas de São Benedito, diferente do samba carioca que foi influenciado pelas batidas do candomblé e do samba de roda da Bahia.


Gênero:
Entrevista.
Descritores:
música brasileira; samba rural paulista; samba caipira; carnaval; cordão carnavalesco; umbanda
Descritores Geograficos:
Bom Retiro - São Paulo - São Paulo - Brasil; Mogi das Cruzes - São Paulo - Brasil
Descritores Onomásticos:
Ataulfo Alves; Boca de Ouro; Camisa Verde e Branco; Geraldo Filme; Germano Mathias; Herivelto Martins; Henricão; José Domingos; Monsueto Menezes; Nenê da Vila Matilde; Pedro Miguel; Rádio Record; Solano Trindade; Vai-Vai; Zá da Rita