Entrevista de Rudá de Andrade - 2ª Parte


Vídeo





O acervo do MIS está disponível apenas para consulta local gratuita. O usuário é o único e exclusivo responsável pelo respeito aos direitos autorais, personalíssimos e conexos das obras pesquisadas. É vedada a reprodução de obras originais ou cópias, no todo ou em parte, de qualquer forma e para qualquer finalidade, em conformidade com a Lei 9.610 de 19.02.1998


Para reprodução de qualquer obra, original ou cópia, em quaisquer meios e mídias e para quaisquer fins, e para solicitação de empréstimos, o interessado deverá seguir os procedimentos estabelecidos pela Política de Acervo do Museu. Para informações sobre empréstimo, reprodução e demais usos, entre em contato com a equipe do CEMIS através do Fale Conosco.



--Título:
Entrevista de Rudá de Andrade - 2ª Parte
Número do Item: Número de Registro:
00109MIS00009VD -
Uso e acesso:
Consulta local sem agendamento; Divulgação virtual
Coleção:
00109MIS - Museu da Imagem e do Som
Companhia Produtora:
Museu da Imagem e do Som de São Paulo
Autoridades: Classificação:
Rudá de AndradeEntrevistado(a)
Geraldo Anhaia MelloCinegrafista
Guilherme LisboaEntrevistado(a)
Plácido de Campos JúniorEntrevistado(a)
Agostinho dos SantosTécnico de som
Daisy Perelmutter.Pesquisa
Ana Maria GuarigliaPesquisa
Local de Produção:
São Paulo - São Paulo - Brasil
Data de Produção: Data de Lançamento:
1993 -
Suporte/Formato:
DVD Cópia
Sistema: Cromia:
NTSC (National Television Standards Committee) Cor
Áudio: Produção:
Estéreo Nacional
Idioma: Classificação:
PortuguêsOriginal
Duração
0h 44min 45s

Sinopse/Descrição:

Plácido de Campos relata o projeto “Ação Arte” no Vale do Paraíba, em que os profissionais do museu se deslocavam até uma região e promoviam ciclos de história do cinema, debates com cineastas e oficinas de Super 8. Guilherme completa que oito cidades foram atendidas.


Rudá diz que não houve uma ação educativa no museu; e Plácido recorda-se da Filmoteca, que atendia muitas pessoas. Rudá diz que a interação com outros museus da imagem e do som foi tímida, mas houve parcerias com instituições como a Cinemateca, o Masp, a USP, os museus da Secretaria e outras instituições do país. Rudá cita a participação do museu em um concurso de fotografia chamado “A cidade também é a sua casa” promovido pela Secretaria de Economia e Planejamento, com o apoio da Fototica, que envolveu muitas cidades do município de São Paulo.


Rudá diz que o público de sua época era o universitário; recorda-se de uma exposição sobre estudos jurídicos que teve muita repercussão, inclusive no meio político; ele diz que as exposições “Memória Paulistana”(1975) e esta sobre os estudos jurídicos foram as mais belas feitas.


Guilherme Lisboa fala do respaldo da sociedade civil para a construção do museu; a resistência dos moradores dos Jardins. Rudá diz que essa movimentação contra não interrompeu em nada os trabalhos realizados, apenas alterou o projeto, como mencionado anteriormente.


Rudá diz que o Conselho perdeu a força nas gestões seguintes; Guilherme comenta que na sua gestão (anos 1987 e 1988) era difícil conseguir convocá-lo; Rudá fala se o museu tem uma identidade naquela ocasião (entrevista feita em 1993) e se foi respeitada a Carta de Princípios de sua fundação; revela que o acervo na sua gestão foi maltratado, não tinha pessoal e móveis, mesmo com toda a importância que dava à documentação; faz um balanço dos vinte e três anos de MIS, acha saudável exposições de Artes Plásticas, uma forma de trazer novo público.


Rudá afirma que o acervo do MIS deveria ir para um novo espaço; que a sede atrofia a vida do museu; que a atual sede deveria ser apenas para visitação pública, com cursos, biblioteca; que o Paço deveria ir para outro lugar, porque na atual sede ele é mais prejudicado que o MIS.


Plácido de Campos afirma a importância de tornar visível à sociedade o que tem no MIS, isso implica em editar os tapes; publicar as fotos; transcrever os depoimentos; enviar esse material a algum lugar como a Rádio e TV Cultura.


Rudá fala da descontinuidade das gestões; da dificuldade em encontrar documentos no acervo decorrente dessas mudanças. Ele mostra fotos da abertura da exposição “Memória Paulistana” (1975) e de sua montagem, a partir de 36´40”, e destaca as personalidades presentes na abertura como Pedro de Magalhães Padilha (secretário de estado da Cultura de SP) e a Ruth Escobar.


Gênero:
Entrevista de História Oral
Descritores:
história oral; museu; acervo; arte; depoimento
Descritores Geograficos:
Museu da Imagem e do Som - São Paulo - São Paulo - Brasil; Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - São Paulo - São Paulo - Brasil; Universidade de São Paulo - São Paulo - Brasil; Paço das Artes - São Paulo - Brasil; Vale do Paraíba - São Paulo - Brasil
Descritores Onomásticos:
Cinemateca Brasileira; Museu da Imagem e do Som de São Paulo; Rudá de Andrade; Plácido de Campos Júnior; Guilherme Lisboa; MASP; Universidade de São Paulo; Memória Paulistana; Paço das Artes; Pedro de Magalhães Padilha; Ruth Escobar