Cinemas Estão Fechando, Os


Filme





O acervo do MIS está disponível apenas para consulta local gratuita. O usuário é o único e exclusivo responsável pelo respeito aos direitos autorais, personalíssimos e conexos das obras pesquisadas. É vedada a reprodução de obras originais ou cópias, no todo ou em parte, de qualquer forma e para qualquer finalidade, em conformidade com a Lei 9.610 de 19.02.1998


Para reprodução de qualquer obra, original ou cópia, em quaisquer meios e mídias e para quaisquer fins, e para solicitação de empréstimos, o interessado deverá seguir os procedimentos estabelecidos pela Política de Acervo do Museu. Para informações sobre empréstimo, reprodução e demais usos, entre em contato com a equipe do CEMIS através do Fale Conosco.




Título:
Cinemas Estão Fechando, Os
Número de Item: Número de Registro:
00808ABM00019FC FC00396-S8A(1)
Uso e acesso:
Consulta local com agendamento
Coleção:
00808ABM - Abrão Berman
Companhia Produtora:
Vice-versa
Autoridades: Classificação:
Abrão BermanProdução
Abrão BermanDireção
Abrão BermanRoteiro
Abrão BermanDireção de fotografia
Abrão BermanMontagem
Abrão BermanTrilha sonora
Celso Biza FariaNarração
Local de Produção:
São Paulo - São Paulo - Brasil
Data de Produção: Data de Lançamento:
1980 -
Bitola: Cromia:
Super 8 mm Cor
Produção:
Nacional
Idioma: Classificação:
PortuguêsOriginal
Metragem total - Tipo: Duração:
Curta-Metragem 0h 27min 37s

Sinopse/Descrição:

Imagens de locais que haviam sido cinema e deixaram algum vestígio: uma marquise, uma moldura de cartazes, um detalhe de decoração na fachada. Início da demolição do Cine República (SP), Metro Copacabana (Rio) e Cine Tropical, na Lapa.


Comentário do diretor: "Em meados dos anos 1970 comecei a perceber que as salas de cinema que eu até há pouco frequentava começavam a fechar. Eu via o Cine Regência virar primeiro auditório da TV Record e depois oficina mecânica; o Cine Cosmos virar estacionamento, o Cine Picolino virar buffet, o Cine Paulista virar galeria comercial. Todos na Rua Augusta, onde me criei e atravessava duas vezes por dia para ir à escola, na Praça da República. Ao assistir o filme ‘A Rosa Púrpura do Cairo’, voltou-me a imagem que eu elaborava, principalmente nas segundas feiras, dia em que mudava o cartaz do Cine Paulista. À medida que o ônibus se aproximava (a parada era em frente ao cinema) eu ficava entusiasmado observando por rápidos instantes as trocas de cartazes. E minha imaginação fazia os atores saírem do cinema e virem até a calçada, malas e casacos na mão, à procura de táxi. Uma cobrança interna começou a me atormentar. Como se eu precisasse fazer alguma coisa, não para salvar os cinemas (já condenados) mas para, ao menos, preservar uma lembrança de sua imagem. A imprensa já começava a chamar atenção para o fato. Uma reportagem em um jornal carioca alardeava: ‘Os Cinemas Estão Fechando… Mas O Espetáculo Continua’. Munido com minha câmera Super-8 e muitos rolos de filme, iniciei uma peregrinação pela cidade, filmando todos os lugares que haviam sido cinemas e que tinham deixado algum vestígio. Uma marquise, uma moldura de cartazes, um detalhe de decoração de fachada, etc. E á medida em que filmava descobria que a cidade perdia dezenas de salas a cada mês. Com duração de dez minutos, a primeira versão de ‘Os Cinemas Estão Fechando’ mostrava então dezoito cinemas fechados, e foi apresentado no 5º Super Festival Nacional do Filme Super-8, em 1977, com um corte na trilha sonora imposto pela censura pelo rigor na proibição dos filmes para menores de dezoito anos, afugentando a nova geração de frequentar salas. Tenho plena consciência dos motivos que provocaram tal situação, que é mundial. Reconheço que houve mudança nos costumes. Só lamento que o fechamento continue.” (extraído da revista Filme Cultura nº 46, 1986)


Gênero:
Documentário
Descritores:
cinema; sala de cinema; arquitetura
Descritores Geográficos:
São Paulo - São Paulo - Brasil; Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil