Eh, Pagu, eh!


Filme





O acervo do MIS está disponível apenas para consulta local gratuita. O usuário é o único e exclusivo responsável pelo respeito aos direitos autorais, personalíssimos e conexos das obras pesquisadas. É vedada a reprodução de obras originais ou cópias, no todo ou em parte, de qualquer forma e para qualquer finalidade, em conformidade com a Lei 9.610 de 19.02.1998


Para reprodução de qualquer obra, original ou cópia, em quaisquer meios e mídias e para quaisquer fins, e para solicitação de empréstimos, o interessado deverá seguir os procedimentos estabelecidos pela Política de Acervo do Museu. Para informações sobre empréstimo, reprodução e demais usos, entre em contato com a equipe do CEMIS através do Fale Conosco.




Título:
Eh, Pagu, eh!
Número de Item: Número de Registro:
00138PRE00441FC FC00050-16A(1)
Uso e acesso:
Consulta local com agendamento
Coleção:
00138PRE - Prêmio Estímulo
Companhia Produtora:
Spectrus Produções Cinematográficas
Autoridades: Classificação:
Ivo BrancoDireção
Ivo BrancoRoteiro
Cláudia Andréia FajuriProdução executiva
Cristina WintherProdução executiva
Renato Pitta MartinsProdução executiva
Rebeca Mc MelloDireção de produção
José Roberto SanderDireção de fotografia
Sandro CominissoAssistência de direção
Francisco MagaldiMontagem
Gil ReyesMúsica
Papa VentoMúsica
Edith SiqueiraElenco
Clodomiro BacelarElenco
Júlio CalassoElenco
Aldo BuenoElenco
Milton Augusto MartinsMaquiagem
Local de Produção:
São Paulo - São Paulo - Brasil
Bitola: Cromia:
16 mm PB
Produção:
Nacional
Idioma: Classificação:
PortuguêsOriginal
Metragem total - Tipo: Duração:
Curta-Metragem 0h 20min 0s

Sinopse/Descrição:

Patrícia Galvão foi musa antropofágica, jornalista, escritora, desenhista, poeta, feminista, de esquerda, mas foi principalmente Pagu, símbolo da mulher moderna e atuante. Ativista política, inscreveu-se no partido comunista na década de 30 e foi encarcerada por cinco anos durante o governo Vargas. Revisora de suas próprias atitudes, junta-se aos dissidentes trotskistas, sendo expulsa do partido. Escreve "Parque Industrial" considerado o primeiro romance proletário brasileiro. Mulher de Oswald de Andrade, participa com ele do movimento antropofágico na sua fase mais radical.


Gênero:
Documentário
Descritores:
política; história; literatura; modernismo brasileiro; partido comunista; feminismo