Notas Contemporâneas:Lobão - Estúdio -3ªParte


Vídeo





O acervo do MIS está disponível apenas para consulta local gratuita. O usuário é o único e exclusivo responsável pelo respeito aos direitos autorais, personalíssimos e conexos das obras pesquisadas. É vedada a reprodução de obras originais ou cópias, no todo ou em parte, de qualquer forma e para qualquer finalidade, em conformidade com a Lei 9.610 de 19.02.1998


Para reprodução de qualquer obra, original ou cópia, em quaisquer meios e mídias e para quaisquer fins, e para solicitação de empréstimos, o interessado deverá seguir os procedimentos estabelecidos pela Política de Acervo do Museu. Para informações sobre empréstimo, reprodução e demais usos, entre em contato com a equipe do CEMIS através do Fale Conosco.



--Título:
Notas Contemporâneas:Lobão - Estúdio -3ªParte
Número do Item: Número de Registro:
00821NTP00189VD -
Uso e acesso:
Consulta local sem agendamento; Divulgação virtual
Coleção:
00821NTP - Notas Contemporâneas
Companhia Produtora:
Museu da Imagem e do Som de São Paulo
Autoridades: Classificação:
LobãoEntrevistado(a)
Rosana CaramaschiEntrevistador(a)
Cleber PapaDireção
Eric Jeferson Oliveira CamposCinegrafista
Cleber PapaCuradoria
Eric Jeferson Oliveira CamposTécnico de som
Jeferson MagalhãesDigitalização
Local de Produção:
Museu da Imagem e do Som - São Paulo - São Paulo - Brasil
Data de Produção: Data de Lançamento:
05/06/2013 -
Suporte/Formato:
DVD Cópia
Sistema: Cromia:
NTSC (National Television Standards Committee) Cor
Áudio: Produção:
Estéreo Nacional
Duração
0h 55min 0s

Sinopse/Descrição:

Lembra do seu primeiro sucesso com a música "Noite e Dia", gravado pela cantora Marina Lima; foi expulso da banda Os Ronaldos por mau comportamento, onde começou a encarar a carreira solo; fala da sua prisão, drogas e perseguição policial que sofreu; morou na Mangueira e se tornou mascote do Comando Vermelho; cheirou muita cocaína por ódio, quase virou bandido e viu muitas mortes; foi convidado pela cantora Elza Soares para entrar na bateria da Mangueira; conheceu o cantor Ivo Meirelles e se tornou amigo de Dona Neuma, Dona Zica, Carlos Cachaça, Nelson Sargento, entre outros ícones da Mangueira; faz comparações entre o chorinho e o jazz; elogia o violinista Yamandu Costa e o bandolinista Hamilton de Holanda; gostava do programa "Esta Noite Se Improvisa" com o apresentador Blota Junior, na Rede Record; fala da Semana de 22; critica o produtor musical Liminha; conta a sua mudança para São Paulo; critica a música "Marighella" dos Racionais MC´s, diz que o grupo é "braço armado do PT"; se arrepende por apoiar o PT em 2002; diz que sempre lutou contra José Sarney, Paulo Maluf, Fernando Collor e Renan Calheiros; se inspira em arte e literatura para escrever suas músicas; fala das vendas de cd´s nas bancas de jornais, o pioneiro no Brasil; critica a classe artística do país; comenta a sua autobiografia e de seu livro "O Manifesto Do Nada Na Terra Do Nunca" e até chegou a ter medo de escrevê-lo; pretende futuramente escrever um romance.


Gênero:
Entrevista
Descritores:
música popular brasileira; prisioneiro; droga; perseguição; policial; cocaína; morte; programa de televisão; apresentador televisivo; arte; literatura; banca de jornais e revistas; biografia; escritor brasileiro; romance; política
Descritores Geograficos:
São Paulo - São Paulo - Brasil
Descritores Onomásticos:
Marina Lima; Os Ronaldos; Comando Vermelho; Escola de Samba Estação Primeira da Mangueira; Elza Soares; Ivo Meirelles; Dona Neuma; Dona Zica; Carlos Cachaça; Nelson Sargento; Yamandu Costa; Hamilton de Holanda; Blota Júnior; TV Record; Semana de Arte Moderna; Liminha (produtor musical); Racionais MC´s; PT (Partido dos Trabalhadores); José Sarney; Paulo Maluf; Fernando Collor de Mello; Renan Calheiros; Carlos Marighella